HARMONIZAÇÃO DE CERVEJA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para começar a falar sobre esse tema interessante, vou colocar a definição de Harmonização segundo o Chef e Sommelier de Cervejas Ronaldo Rossi:

“Harmonizar é unir dois ou mais elementos que sozinhos funcionam bem, mas que juntos devem ser melhores ainda”.

Rossi se referia a criação do "terceiro sabor". Esse é o objetivo da harmonização. Se dois ingredientes já são bons sozinhos, não tem como ficar ruim se colocados juntos. Só que a mágica da harmonização acontece quando surge algo ainda melhor: um novo sabor antes inexistente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Harmonização é a arte de se criar uma nova experiência ao consumidor. O que as pessoas procuram não é comida nem cerveja. O consumidor vem atrás de uma experiência gastronômica. Isso é  possível com a harmonização.

O objetivo da harmonização de comidas e cervejas é criar experiências que sejam agradáveis e inesquecíveis.

Com o crescimento da cultura cervejeira, a harmonização de comida com cerveja vem se mostrando cada vez mais presente e oferece uma quantidade enorme de possibilidades e sabores.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A opção mais frequente em uma harmonização sempre foi o vinho e não a cerveja, mas essa escolha é a mais pedida devido a um capricho da história.

A maior parte do mundo ocidental aprendeu gastronomia com os franceses e eles geralmente bebem mais vinho do que cerveja por serem um país produtor dessa bebida. Se os hábitos alimentares ocidentais tivessem como origem outro país, provavelmente o cenário seria diferente.

Para criar se criar uma boa harmonização não há uma regra exata, mas são fundamentais a criatividade e o conhecimento técnico.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As harmonizações podem ser feitas conforme os seguintes critérios:

✓ Por semelhança: onde se ressalta alguma característica presente tanto na cerveja como na comida. Exemplo: tostado da carne com o tostado presente no malte caramelizado.

✓ Por contraste: quando um dos elementos se opõe diretamente ao encontro do outro. Exemplo: torrado do malte em uma Stout e o doce de leite.

✓ Por corte: consiste em limpar o paladar e prepará-lo para uma nova garfada. Os elementos de corte são: álcool, amargor, acidez e carbonatação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

É importante respeitar as características dos pratos quando sugerir uma harmonização para garantir um equilíbrio. Os pratos mais delicados devem ser servidos com cervejas delicadas, os pratos robustos devem ser servidos com cervejas complexas e intensas e os pratos picantes devem ser servidos com cervejas lupuladas.

Se você se interessa por esse assunto e quer aprender mais, junte-se a nós no curso de Harmonização de Cervejas.

As aulas do curso são ministradas pelo Ronaldo Rossi, o Beer Sommelier com a mais larga experiência na área de gastronomia e cervejas no país.

Sugestão de Harmonização experimentada no primeiro curso que aconteceu em janeiro de 2019:

Queijo Brie com geleia de damasco e Tripel Karmelit: exemplo perfeito de dois elementos que funcionam bem (queijo com geleia de damasco), mas que quando combinados com a cerveja belga tripel (Tripel Karmelit) formam uma experiencia inesquecível.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A próxima turma será na cidade de São Paulo nos dias 8/jul/2019 a 13/jul/2019. Para mais informações acesse o site: www.brauakademie.com.br/harmonizacao

 

 

 

 

Por Sheila Pascon (Bräu Akademie)