É importante fazer a parada proteica?

Sabemos que na produção de cerveja temos diversas técnicas e processos que buscam aumentar a eficiência da brassagem. 

Por isso, temos que ficar atentos às ações que podem otimizar a receita. A parada proteica é uma técnica que pode ser aplicada para garantir uma fermentação adequada e auxiliar em outros fatores como a diminuição de turbidez.  

O que é a parada proteica? 

É uma rampa de temperatura entre 50 – 55º C que visa a degradação de proteínas e componentes de baixo peso molecular, como peptídeos e aminoácidos.  

O que a parada proteica tem a ver com a fermentação? 

Alguns componentes da  mostura são essenciais para o desenvolvimento da levedura durante a fermentação, como os aminoácidos, que são indispensáveis para a nutrição da levedura. 

A alta qualidade de maltes modificados traz maior formação de FAN (Free Amino Nitrogen), que é um importante substrato para a propagação da levedura e tem melhor formação em temperaturas entre 45 e 50º C. Então maltes atuais já modificados contribuem com aminoácidos na mostura.

Entretanto, se adjuntos e outros ingredientes não maltados estão sendo utilizados é necessário realizar a parada proteica, pois estes não colaboram com aminoácidos no mosto. Isso quer dizer que é necessário realizar a faixa de temperatura de 45 – 50 ºC para garantir a quebra de componentes de baixo peso molecular. 

O gerenciamento dessa rampa é importante para a formação de espuma, pois uma parada muito longa pode ocasionar má formação e retenção de espuma. Por isso é necessário entender as necessidades de cada receita e estilo produzido. 

Em resumo, a parada proteica foi muito necessária quando as técnicas de malteação ainda produziam maltes de baixa qualidade. Hoje, os maltes nacionais e internacionais já atendem alta qualidade e eficiência para a formação de FAN e aminoácidos. 

Veja esse vídeo do Matheus que explica os 3 principais motivos para realizar a parada proteica, e quando pode ser interessante empregá-la. 

Live #141 – Parada Proteica

Esse é um assunto das aulas de Tecnologia Cervejeira, que aborda a parada proteica na aula sobre enzimas. 

Fonte: KUNZE, W. Technology Brewing and Malting. Berlin. Edited by Olaf Hendel, VLB Berlin, 2014. 

Se deseja se tornar um cervejeiro, clica aqui para conhecer mais e se inscrever.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Precisa de ajuda?